Artigo: Quem teria pensado que um dia o Louvre exibiria tiras?

Por Michelle Ramos.

 

O titulo acima é a pergunta de apresentação do texto que divulga a exposição Cartoons – The Louvre invites comic-strip art“, exposição de “Bande Dessinée” (forma como os franceses chamam as historias em Quadrinhos, que significa Banda Desenhada, assim como em Portugal); por que essa pergunta? Bem simples; Pela primeira vez na história, o Museu do Louvre está exibindo quadrinhos em uma de suas galerias. Na exposição aberta desde quinta-feira, dia 22; e continua até o dia 13 de Abril deste ano, os visitantes estão podendo conferir os trabalhos de cinco artistas das HQs francesas.

 

Entre as obras, estarão “Période Glaciaire” (período glacial); de Nicolas de Crécy;” Les Sous-sols du Révolu” (o porão da Revolução), de Marc-Antoine Mathieu; “Aux Heures Impaires” (as horas ímpares), de Éric Liberge; “Rohan au Louvre” (Rohan no Louvre), de Hirohiko Araki e “Le Ciel au-dessus du Louvre” (o céu acima do Louvre), de Bernar Yslaire.

 

No site Alagoas em Tempo Real, onde foi publicado a noticia da exposição, o curador Fabrice Douar ainda diz que a iniciativa não é de “modernizar” o Louvre, ou “validar” os quadrinhos como forma de arte e nem de conquistar o público jovem para o museu; mas: “… apresentar essa arte com o objetivo de mostrar sua qualidade estética, mas também sua qualidade no sentido de confrontação entre o mundo do Louvre e esse universo alternativo, que é o dos quadrinhos“.

 

E ainda diz que expectativa é quebrar estereótipos não apenas sobre os quadrinhos, mas também sobre o famoso museu. “Assim como quadrinhos não apenas para diversão ou entretenimento, o Louvre não é apenas empoeirado e chato” completa Douar.

 

É bom lembrar que artistas como Albert Uderzo (Astérix), Claude Moliterni (Harry Chase) que faleceu no dia 21 deste mês; Moebius (Incal), Philipe Druillet (Metal Hurlant), Frédéric Boilet (O Espinafre de Yukiko) fazem parte do rol de artistas da Bande Dessinée; o que na verdade torna admirável vermos uma exposição como esta acontecer só agora; mas a iniciativa é o que nos deixa maravilhosamente feliz, pois coloca o quadrinho, no lugar que ele merece; como obra de arte.

 

Ou seja, meu amigo independente; vamos à luta, pois se os quadrinhos franceses com suas lutas diárias, mesmo que não tão difíceis quanto as nossas (quem disse?!) conseguiu alcançar o ápice das artes em seu país, porque nós não? Quem sabe, que, com o seu e meu esforço não poderemos ver daqui a alguns anos o Brasil fazendo o mesmo? Ta bem, Ta bem, eu sei o Brasil foi o primeirão em 1950, quando aconteceu a primeira exposição de HQ no mundo; organizada pelo Álvaro Moya (entre outros artistas), mas estamos em 2009; bem que isso podia virar moda concorda? Eu Ficarei aqui na torcida e na luta, e você?