Arte toma conta da biblioteca

Monografia do Professor Mauro Bandeira incentiva projeto de Inclusão Social

 

O trabalho do graduando rendeu um projeto de inclusão social na biblioteca Carlos Drummond de Andrade, em Ceilândia Norte. Professor, Mauro César Bandeira propôs à diretora da biblioteca a criação de uma oficina de quadrinhos para crianças e jovens da região a fim de desenvolver um trabalho social durante o tempo ocioso. A idéia surgiu porque o graduando percebeu a ausência de atividades educacionais que incentivassem crianças e jovens de Ceilândia. “No início achei que o projeto seria inviável“, afirma Honorita Luzia Barbosa. “Comentei com minha família e os meus netos mostraram tanto interesse que resolvitestar“, conta a diretora.


Honorita diz que a biblioteca ficou mais conhecida depois da inclusão do projeto. “As estatísticas provam que a freqüência dobrou depois da inclusão da oficina“, afirma Honorita. “É muito gratificante ver a biblioteca lotada de crianças e jovens“, comemora.


A oficina funciona aos sábados, das 8h às 12h, e conta com oito professores de quadrinhos. O sucesso foi tão grande que toda a família participa. Atualmente o projeto atende a 140 pessoas, entre crianças, jovens e adultos. “A oficina incentiva crianças e jovens nos estudos“, garante Mauro. “Os quadrinhos auxiliam na memorização do conteúdo escolar“, confirma.


Todo o trabalho desenvolvido durante o projeto fica exposto no saguão da biblioteca. Para comemorar o aniversário de 14 anos da instituição, a diretora está preparando uma exposição com todos os quadrinhos desenvolvidos durante o projeto. “Teremos uma grande festa regada a quadrinhos e atividades para todos“, entusiasma-se a diretora.


Administração dá o seu apoio

 

O projeto conta com o apoio da Administração de Ceilândia, que doa todo material utilizado na oficina. Lápis de cor, papel, caneta nanquim, CDs, DVDs e quadros foram cedidos para o projeto.

A oficina tira as crianças das ruas e da ociosidade, além de reduzir a criminalidade“, acredita o administrador Leonardo Moraes.

 


São talentos escondidos por falta de oportunidade que precisamos despertar“, defende Moraes, que atua em 89 escolas públicas de Ceilândia com 88 mil alunos.


O baixo custo do projeto chama a atenção. “Investimos apenas R$ 1.500 e o retorno não tem preço“, diz o administrador. “O que não for gasto em oportunidades para as crianças e jovens será gasto em segurança pública no futuro“, acredita.


E a oficina já colhe bons frutos. Grandes empresas do mercado já estão de olho no trabalho das crianças e dos jovens. “Alguns têm futuro garantido no mercado de trabalho“, assegura Moraes. “Uma grande empresa da capital pretende fazer um campeonato com os participantes e aproveitar os melhores talentos“, adianta o administrador.


Os participantes da oficina estão elaborando uma revista para a Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal (Caesb). A idéia é mostrar a importância da água em Sobradinho por meio dos quadrinhos.  Ficamos lisonjeados com o convite”, conta o colaborador do projeto, Anderson Costa. “A revista vai incentivar ainda mais os participantes“, aposta.


Outro apoio que o projeto recebe é da Secretaria de Cultura do Distrito Federal, que doou uma mala de gibis para a oficina. “Os gibis servem de inspiração para o projeto“, acredita Costa. “Deles os alunos tiram idéias e desenvolvem a criatividade“, enfatiza o colaborador.

 

Fone: (61) 3901-1360

 

Texto enviado por e-mail pelo Mauro Cesar Bandeira, professor, formado em Artes Plásticas, Habilitação em Licenciatura, do Departamento de Artes Visuais do Instituto de Artes da Universidade de Brasília; e autor da Monografia “A importância das Histórias em Quadrinhos para a Educação”. O texto Foi originalmente publicado no Jornal da Comunidade.

Um comentário sobre “Arte toma conta da biblioteca

  1. Pingback: Artigo: A valorização do quadrinista brasileiro e a produção de HQs « ::: Zine Brasil ::: A Vitrine das HQ’S Nacionais

Os comentários estão desativados.