Resenha: Subversos #3

Por Michelle Ramos.

 

Como eu já esperava a Revista Subversos (formato 21×27, distribuída gratuitamente) organizada pelos quadrinistas Alexandre Manoel, Igor Shin, e Ricardo Akira,  chega a sua terceira edição não apenas mantendo a qualidade, mas conseguindo superar as expectativas sobre a mesma.

 

A publicação de estilos variados, mas com tema Cotidiano Urbano, traz varias HQs e tiras, como “Castigo” de Akira Sanoki; “O Corte” de Karina Nishioka (roteiro, desenhos e arte final) e Freddy Leal (arte final); “Desejo-te, O Caraio!” de Igor Shin Moromisato; “Pequenos vícios” de Lucas Rocha; “Saco Escrotal” de Bridon; “Alien” de Bruno Bispo e Victor Freud; “Retrato de uma Vida” de Vini; “Invisível”, de Walter Koyama (roteiro e arte) e Fernanda Yamashiro (arte final); “Eu te amo” de Regis Rocha; “Querido Amigo” de Dedos; e “Cidade Marrom” de Alexandre Manoel; além do espaço “Central de Tiras” reservado a tiras desenvolvidas pelos artistas Saravá, Fernando dos Santos; Floreal, Allan, Denilson, Daniel e Laudelino; e ainda “Marmiteiros” de Aluisio Soares.

 

São HQs e tiras bem selecionadas, que de forma seria ou às vezes brincando, retratam o cotidiano ou o “possível” cotidiano de vários leitores; entre as HQs duas coisas são pra se destacar, primeiro a participação feminina nas edições, que é bem notável, fico muito feliz em ver as mulheres mostrando sua força nas HQs, “O corte” de Karina Nishioka foi muito bem construída e ilustrada, esta de parabéns a moça; e a HQ do Vini, “Retrato de uma Vida” realmente verossímil, e no melhor estilo critico possível para a atual situação de nossa sociedade, deu um belo exemplo de HQ independente que se preocupa com a sociedade.

 

Nas tiras, o Saravá e o Fernando dos Santos são excelentes exemplos de jovens artistas independentes que possuem grande talento e não “pedem” passagem eles simplesmente exigem essa passagem, esse reconhecimento do talento brasileiro, tão necessário nos nossos dias; mandaram muito bem.

 

Outro fato muito importante sobre a Subversos é a experimentação; é possível notar que alguns artistas estão ficando, ou são mesmo mais ousados, dando mostras que a criatividade tem encontrado espaço mais evidente HQB, com narrativas bem construídas e desenhos limpos, compreensível para qualquer leitor, que é um dos objetivos da publicação.

 

Só esses pequenos detalhes da revista, já mostram a importância que um material desse porte tem na HQB, pois em pouco tempo torna-se uma vitrine impar, tanto mostrando a quantidade imensa de artistas trabalhando ainda no escuro de seu quarto, quanto a qualidade dos mesmos; e ainda é possível ser baixada em formato pdf, já que seu material é rapidamente esgotado.

 

Saiba mais da Subversos visitando o blog da publicação clicando aqui.

2 comentários sobre “Resenha: Subversos #3

    • Olá Fabiana, Obrigada pela visita, a hq do a Alexandre foi citada sim, só que o nome dele esta em italico e não em negrito,
      Mas o Daniel realmente não foi citado, passou batido creio que por causa do nome do Denilson, valeu pelo toque conferi a revista aqui e já coloquei o nome do artista 😉
      Abraço!

      Curtir

Os comentários estão desativados.