Artistas e jornalistas comentam os caminhos no mercado de quadrinhos na mídia

Contar histórias por meio de quadrinhos ou ilustrações é quase tão antigo quanto a escrita. Para quem busca construir uma carreira na área, IMPRENSA procurou jornalistas e desenhistas com experiência em mídia impressa e digital para falar sobre os meandros de trabalhar com comunicação e arte.

Adão Iturrusgarai, cartunista com mais de 30 anos de estrada e tirinhas publicadas na Folha de S. Paulo desde a década de 1990, tem uma fórmula para o sucesso na profissão: “33% sorte, 33% inspiração e 33% transpiração”, brinca. “É um trabalho tão complicado… Quer dizer, todas as carreiras são complicadas, mas acho que, quando você trabalha com algo ligado à arte, precisa ter muita paciência, é muito demorado.”

“O mais difícil quando eu comecei foi o próprio começo. Ninguém te conhece, você tem que fazer campanha em prol de si mesmo. Eu inventava umas exposições, levava meus desenhos nos lugares, batia de porta em porta, enfim… A maior dificuldade é convencer alguém de que seu trabalho vale a pena”, continua Adão.

O cartunista diz que acompanha os novos nomes no mercado de quadrinhos no Brasil e destaca como a internet funciona como uma excelente plataforma. “Graças à internet, você vê muito mais esses novos autores. Mas o mais difícil é conseguir um espaço onde te paguem. Aparecer é mais fácil, por um lado, mas ser remunerado por isso é complicado”, afirma.

mundo-monstro-36338

Pedro Leite, ilustrador e publicitário autor dos “Quadrinhos Ácidos”, “Tirinhas do Zodíaco” e da coleção de cartuns “Onde Meu Gato Senta”, publica seus trabalhos na internet e em livros independentes. Nas redes sociais, seus desenhos chegam a alcançar mais de 100 mil visualizações em poucas horas após a divulgação. Ele destaca que a principal diferença entre trabalhar com web e com mídia impressa é que o primeiro tem ganhado mais popularidade.

“A impressão que eu tenho é que os quadrinhos de jornal estão sendo desvalorizados. Parece que os jornais não estão mais dando tanta atenção quanto eles deram lá nos anos 1980 e 1990, quando eles publicavam muito mais do que agora. O que acontece também é que, com a internet e as redes sociais, se eu conseguir fazer um conteúdo de qualidade, eu consigo ter muito mais leitores do que na mídia impressa”, diz o autor.

tirinhanostalgicas-01

Não só para desenhistas

UrYnHQCZO mercado de quadrinhos também tem espaço para jornalistas. Mesmo que estes, muitas vezes, tenham pouca intimidade com o lápis e o papel. Sidney Gusman, por exemplo, é editor do site Universo HQ e responsável pelo planejamento editorial da Maurício de Sousa Produções.

O jornalista trabalha com quadrinhos desde 1990 e afirma que não existe uma “receita” para o sucesso na área. “A primeira coisa, obviamente, é você conhecer bastante de quadrinhos. Não é só ler a coleção do Batman. É você tentar, ao máximo, ser plural nessa história, abrir o seu leque o máximo possível.”

Gusman acrescenta que, hoje, o caminho para quem quer escrever sobre quadrinhos é a internet: blogs, redes sociais etc. “Não tem um baita mercado hoje [de quadrinhos], mas estamos em uma pequena expansão”, continua o jornalista. “Eu vejo que nós estamos subindo a serra, engatando a segunda, mas tem caminho. Os profissionais que quiserem trabalhar nessa área precisam estar atentos e preparados.”

Outra área que chama cada vez mais profissionais da imprensa é o gênero de jornalismo em quadrinhos. A ideia é utilizar a linguagem e a mídia das HQs para veicular reportagens, de teor muitas vezes investigativo, em forma de narrativas gráficas adultas.

Augusto PaimO jornalista Augusto Paim ministra palestras e oficinas sobre o assunto, além de ser curador e organizador do 1º Encontro Internacional de Jornalismo em Quadrinhos de 2010 e discutir a prática em seu doutorado na Alemanha. Ele destaca, porém, que é preciso estar atento para as diferenças entre jornalismo em quadrinhos e meras ilustrações de reportagens.

“Criar uma HQ exige habilidades diferentes das de criar um texto ou um filme, por exemplo. Uma pessoa que quer fazer uma história em quadrinhos e não tem esse conhecimento vai fazer um trabalho ruim, em que o desenho está só ilustrando o texto, ou vai estar repetitivo, coisas assim. É necessário conhecer e dominar a linguagem. Não é todo escritor que sabe fazer um roteiro de cinema. […] Mas, antes disso tudo, é preciso conhecer o jornalismo”, diz Paim.

O jornalista diz ainda que trata-se de uma área que exige muita dedicação e estudo, já que muitos veículos ainda não se deram conta do potencial dessa mídia. “O mercado tem crescido bastante para as pessoas que estão se especializando. Claro que quem trabalha com isso, não trabalha só com isso. […] Para essas pessoas, as portas estão se abrindo. Mas não digo que seria uma boa escolha para quem acabou de se formar, por exemplo. Mas, para quem realmente gosta do tema, vale a pena”, conclui.

Originalmente publicado no Portal Imprensa.

:: Já Conhece o Canal Zine Brasil no YouTube?
Inscreva-se aqui ->> http://youtube.com/zinebrasil

 

Anúncios