Quadrinhos – História Moderna de uma Arte Global

Narrando as últimas cinco décadas dos quadrinhos em todo o mundo – com aproximadamente 300 ilustrações retiradas de revistas em quadrinhos, comics, mangás, bandes dessinées, fumetti e historietas –, QUADRINHOS, de Dan Mazur e Alexander Danner, é revolucionário tanto em sua abrangência como em seu nível de detalhe. R. Crumb e Gabrielle Bell, Jack Kirby e Alan Moore, Moebius, Yumiko Oshima e Osamu Tezuka são só alguns nomes das centenas de artistas incluídos neste livro, o que faz dele uma obra sem precedentes. Este relato pioneiro integra a história dos quadrinhos na Europa, na Ásia e nas Américas desde 1968, em narrativa abrangente e de perspectiva global.

QUADRINHOS – HISTÓRIA MODERNA DE UMA ARTE GLOBAL

Segundo crítica publicada no Boa Informação, o livro é classificado como ÓTIMO, e há ao menos três acertos que diferenciam “Quadrinhos – História Moderna de uma Arte Global” de outras obras sobre o tema. O primeiro é a atualidade do livro, que chega ao Brasil poucos meses depois de ter sido lançado nos Estados Unidos.

Embora tenha como proposta fazer um relato histórico dos quadrinhos adultos, o que leva a um incontornável olhar pelo retrovisor editorial, a publicação não deixa de registrar também os trabalhos mais recentes, como é o caso de “Você É Minha Mãe?”, da norte-americana Alison Bechdel, lançado em 2012 —no Brasil, no ano passado, pelo selo Quadrinhos na Cia.

O segundo diferencial é o ponto de partida da exposição. Em vez de enveredar pela polêmica discussão de quando e onde os quadrinhos surgiram, os dois autores, Dan Mazur e Alexander Danner, optaram por iniciar a cronologia em 1968.

Por que esse ano? Porque é quando começam a ficar mais conhecidas as produções de Robert Crumb.

Expoente do chamado movimento underground, o desenhista norte-americano ajudou a construir uma nova abordagem narrativa. Com temáticas envolvendo sexo e drogas, ele colocou as revistas nas mãos de leitores adultos, algo até então inovador.

A análise histórica feita por Mazur e Danner, no entanto, não se restringe ao mercado estadunidense. Esse é o terceiro e talvez o principal acerto do livro. A dupla detalha movimentos semelhantes na Europa e no Japão, que pautam metade dos 19 capítulos da obra.

Como resultado, o livro cumpre o que promete no subtítulo: um relato contemporâneo de uma arte que não se limita aos Estados Unidos, como fazem crer muitos dos trabalhos publicados naquele país. Um conjunto de cerca de 300 imagens ajuda a compor o relato cronológico.

Apesar de uma das orelhas de “Quadrinhos – História Moderna de uma Arte Global” registrar que o Brasil é citado na obra, trata-se de menções bastante acanhadas, muitas delas registradas nas notas da tradução ou da revisão técnica. Isso limita um pouco a universalidade apregoada pelo livro.

Sobre o cenário daqui, cabe mesmo aos pesquisadores nacionais a tarefa de esmiuçar o tema. E a editoras como a WMF Martins Fontes a tarefa de abrir espaço para publicações que abordem também as histórias em quadrinhos do país, ainda tão carentes de uma obra de fôlego, como a de Mazur e Danner.

O livro tem 320 páginas, e custa R$ 89,00 na Livraria da Folha.

:: Já Conhece o Canal Zine Brasil no YouTube?
Inscreva-se aqui ->> http://youtube.com/zinebrasil

:: Aproveita e curta a Página no Facebook!

Anúncios

Um comentário sobre “Quadrinhos – História Moderna de uma Arte Global

  1. Pingback: Alexander Danner e Dan Mazur: QUADRINHOS – HISTÓRIA MODERNA DE UMA ARTE GLOBAL | A Pilha

Os comentários estão desativados.